Highslide for Wordpress Plugin

Criança-dom ou criança-dano?

Logo PFA criança é, por definição, um ser merecedor de amor, de atenção, de cuidados esmerados; é um ser humano em crescimento e em desenvolvimento; é, sobretudo, uma lembrança viva de Deus Criador e Pai, já que cada uma é um dom divino imerecido.

Ainda que os pais desejem e esperam um filho, sonhem e façam o que é preciso para terem um descendente, por mais que queiram, há sempre um elemento imprescindível na paternidade e na maternidade: o filho surpreende pelo momento que vem para eles e, sobretudo, pelo como vem.

Vir saudável ou enfermo, vir na hora certa ou na hora inconveniente, vir planejado ou não, cada filho é para os seus pais uma bênção divina e para a família e sociedade é uma pessoa insubstituível.

Infelizmente ainda se escuta na nossa sociedade, e mais infelizmente ainda no seio de alguns grupos dentro da nossa Igreja, a frase: evitar um filho. Que tristeza e que pena é ouvir tal frase e mais dor ainda quando se conhece as razões para tal afirmação. Razões de caráter econômico ou até mesmo de ordem pedagógica são, mais tarde, razões sem consistência, porque se pretendem evitar mais um filho para não colocar num mundo tão violento uma criança frágil, ou porque o dinheiro não era suficiente, ou se pretendia dar uma boa educação ao par de filhos.

Ser pai e ser mãe é um projeto humano-divino e nenhum homem e nenhuma mulher sobre a face da terra pode erigir-se, sozinhos, em árbitros da vida e ser um avalista dos filhos, qualificando uns como dons e outros como danos.

O querido Papa Emérito, Bento XVI, afirmava que “a efígie do Menino Jesus, com a ternura da sua infância, faz-nos também sentir a proximidade de Deus e o seu amor. Compreendemos como somos preciosos aos seus olhos porque, precisamente graças a Ele, nos tornamos por nossa vez filhos de Deus. Cada ser humano é filho de Deus e, portanto, nosso irmão e, como tal, deve ser acolhido e respeitado. Possa a nossa sociedade compreender esta realidade!”.

O Menino-Deus, dom inefável para a humanidade inteira, seja o grande inspirador dessa evangelização a favor das crianças brasileiras, futuro e esperança do nosso grande país.

Dom Antonio Augusto Dias Duarte, bispo auxiliar do Rio de Janeiro

Os comentários estão desativados.