Highslide for Wordpress Plugin
Liturgia diária › 28/02/2016

São Romano

São RomanoNascido no ano 390, o monge Romano era discípulo de um dos primeiros mosteiros do Ocidente, o de Ainay, próximo a Lion, na França. No século IV, quando nascia a vida monástica no Ocidente, com o intuito de propiciar elementos para a perfeição espiritual assim como para a evolução do progresso, ele se tornou um dos primeiro monges franceses.

Romano achava as regras do mosteiro muito brandas. Então, com apenas uma Bíblia, o que para ele era o indispensável para viver, sumiu por entre os montes desertos dos arredores da cidade. Ele só foi localizado por seu irmão Lupicino, depois de alguns anos. Romano tinha se tornado um monge completamente solitário e vivia naquelas montanhas que fazem a fronteira da França com a Suíça. Aceitou o irmão como seu aluno e seguidor, apesar de possuírem temperamentos opostos.

A eles se juntaram muitos outros que desejavam ser eremitas. Por isso teve de fundar dois mosteiros masculinos, um em Condat e outro em Lancome. Depois construiu um de clausura, feminino, em Beaume, no qual Romano colocou como abadessa sua irmã. Os três ficaram sob as mesmas e severas regras disciplinares, como Romano achava que seria correto para a vida das comunidades monásticas. Romano e Lupicino se dividiam entre os dois mosteiros masculinos na orientação espiritual, enquanto no mosteiro de Beaume, Romano mantinha contato com a abadessa sua irmã, orientando-a pessoalmente na vida espiritual.

Consta nos registros da Igreja que, durante uma viagem de Romano ao túmulo de São Maurício, em Genebra, ele e um discípulo que o acompanhava, depois também venerado pela Igreja, chamado Pelade, tiveram de ficar hospedados numa choupana onde havia dois leprosos. Romano os abraçou, solidarizou-se com eles e, na manhã seguinte, os dois estavam curados.

A tradição, que a Igreja mantém, nos narra que este foi apenas o começo de uma viagem cheia de prodígios e milagres. Depois, voltando dessa peregrinação, Romano viveu recluso, na cela de seu mosteiro e se reencontrou na ansiada solidão. Assim ele morreu, antes de seu irmão e irmã, aos 73 anos de idade, no dia 28 de fevereiro de 463.

O culto de São Romano propagou-se velozmente na França, Suíça, Bélgica, Itália, enfim por toda a Europa. As graças e prodígios que ocorreram por sua intercessão são numerosos e continuam a ocorrer, segundo os fieis que mantêm sua devoção ainda muito viva, nos nossos dias.

Outros santos e beatos:
Beata Antônia de Florença (1400-1472) — viúva, terceira franciscana, superiora do convento de Áquila; adotou a regra das clarissas.
Santos Caio, Cereal, Túpolo e Serapião — martirizados em Alexandria do Egito, provavelmente no século III.
São Llibio (século VI) — padroeiro de Lanlíbio.
Santos Macário, Rufino, Justo e Teófilo — martirizados em Roma, em 250.
São Maidoc — bispo-abade galês do século VI.
Santo Osvaldo (†992) — nobre inglês, beneditino na França. Bispo de Worcester, onde fundou um mosteiro; nomeado arcebispo de York, teve a seus cuidados o governo de duas dioceses. Parece ter morrido no momento em que,
de joelhos, lavava os pés de 12 pobres — ação que praticava diariamente.
São Protério (†458) — patriarca de Alexandria, martirizado pelos hereges eutiquianos.
São Ruellin — bispo de Tréguier, na França, no século VI.
São Silvano (†610) — discípulo de são Comgall, abade de Bangor.
Santo Hilário (†468) — natural da Sardenha, arcediago do papa Leão Magno, exerceu diversas funções. Foi eleito papa em 461. Usou de firmeza com os hereges nestorianos e, por ocasião do Latrocínio de Éfeso, quase acabou ­assassinado.
Beata Vilhena de Boti (†1360) — terceira dominicana. Após um casamento forçado, pois desejava tornar-se freira, levou uma vida mundana pouco edificante. Certo dia, ao mirar-se no espelho, viu refletida a figura do demônio. Mudou de vida dedicando-se às obras de caridade.