Highslide for Wordpress Plugin

Nossa Senhora de Copacabana

Nª Shª de Copacabana - BolíviaNossa Senhora de Copacabana, celebrada no dia 02 de fevereiro, é a padroeira da Bolívia. Sua história este intrinsecamente relacionada à pequena cidade de Copacabana, situada na Bolívia. Às margens do lago mais alto do mundo, Titicaca era habitado pelos incas, povo este de forte tradição religiosa. Este povoado foi evangelizado pelos missionários da Ordem de São Domingos (dominicanos) católicos que acompanhavam as tropas espanholas.

“Dom Francisco Tito Yupanqui, nobre descendente da família real, convertido ao cristianismo, fez voto de conseguir uma imagem da mãe de Deus que viria tirar do paganismo seus irmãos de Copacabana.

Certo dia, em seu quarto, tem a visão de uma senhora coberta por longo manto. Sustentava no braço direito um Menino reclinado sobre seu peito e na mão esquerda uma vela acesa. Yupanqui logo teve a certeza de que assim deveria ser representação da Virgem.

Sem talento para a arte, fez jejum e orações pedindo à Virgem que o ajudasse a fazer uma imagem sua.

Depois de várias tentativas, primeiro em barro, depois em madeira, conseguiu esculpir uma imagem que estava muito longe da beleza original de sua visão. Prestes a desistir, tem uma inspiração divina, consegue retocar a imagem tornando-a belíssima, com uma expressão tão forte no olhar que comoviam a todos quantos a contemplavam. Diz a lenda que naquela noite dois anjos vieram dourá-la envolvendo-a num belíssimo resplendor”. (1)

 

Nossa Senhora de Copacabana foi proclamada em 1925 a padroeira da nação boliviana. A estátua original feira pelo índio Francisco Tito Yupanqui ocupa o altar principal do santuário mariano na cidade de Copacabana, que foi construído em sua honra em 1805.

O nome Copacabana na língua aimará significa “pedra preciosa que dá vida”. De fato, a Virgem Mãe deu vida nova ao povoada daquela região e ao apresentar o Menino Deus ao povo inca os presenteia com o dom do amor, amor este que Cristo testemunha ao mundo.

A devoção a Nossa Senhora de Copacabana sempre foi constante para o povo boliviano. Os milagres concedidos por intercessão da Virgem de Copacabana a todos que a invocam com fé e esperança são inumeráveis.

Quando em visita a Bolívia (10 de maio de 1988), em La Paz, o Beato papa João Paulo II fez a seguinte oração a Nossa Senhora de Copacabana:

Santíssima Mãe de Copacabana, no final desta celebração litúrgica. Em que oramos juntos pelas famílias na Bolívia, imploro-te a sua proteção maternal. Tu, que do teu santuário nacional acompanhas com teu olhar benevolente o teu povo, encorajai com a tua poderosa intercessão as famílias na Bolívia, agora eu entrego ao vosso cuidado.

Protegei e inspirai as mães desta nobre terra, que com admirável cuidado e dedica estabilidade às suas casas, orientai seus filhos no caminho do bem para que busquem a sua própria dignidade no que é cristã e humana.

Ilumina também os pais para que saiba compreender que, na vida familiar e social sejam exemplos de retidão, educadores responsáveis ​​para seus filhos, modelo de respeito pelos valores religiosos e morais, que se tornem famílias estáveis e saudáveis.

Cuide especialmente das crianças, à imitação de Jesus, para que cresçam em sabedoria, estatura e graça, recebendo e difundido na própria família o amor e respeito entre todos.

Formai os corações dos jovens, para que com compreensão e generosidade, fortaleçam a união da nossa família e vivam obedientes aos princípios cristãos e possam, assim, apoiar os pais e a esperança da sociedade boliviana.

Vigie Mãe, com doçura particular as famílias dos agricultores, que sofrem a indignidade da pobreza, as casas dos mineiros, sobre os refugiados, sobre aqueles que não têm trabalho nem pão, os mais pobres e abandonados experimento para o seu conforto e da solidariedade dos outros.

Ensinai, enfim, a todos os teus filhos bolivianos, independente da origem étnica ou social, a fidelidade à fé cristã, a coragem na adversidade, a convivência na dignidade idêntica dos filhos e irmãos, no empenho por melhorar a pátria comum, o dever de honestidade e justiça, a esperança em um mundo novo em que reine verdadeiramente o amor e a paz.(2)

 Por Osvaldo Maffei

 (1) REIS, E. S. Maria padroeira da América Latina e suas invocações. Aparecida: Santuário, 2002, p. 14.

(2) ORAÇÃO DO PAPA JOÃO PAULO II em La Paz (Bolívia) – terça-feira 10 de maio de 1988. Disponível em <http://www.vatican.va/holy_father/john_paul_ii/speeches/1988/may/documents/hf_jp-ii_spe_19880510_vergine-copacabana_sp.html> Acessado em: 01/05/2011.

Referências:

http://www.vatican.va/

REIS, E. S. Maria padroeira da América Latina e suas invocações. Aparecida: Santuário, 2002.

MEGALE, N.B. Invocações da Virgem Maria no Brasil. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.