Highslide for Wordpress Plugin

Verdades e mentiras na gestação

gravida1Durante os nove meses de gestação, há várias questões que as futuras mães ouvem e não sabem se podem considerar verdadeiras ou não. Veja aqui algumas delas e saiba o que é mito e o que é verdade.

1) A mudança da Lua influencia o parto?
Verdade. Durante a lua cheia e a lua nova, existe uma força maior para o centro da Terra, o que aumenta a pressão pélvica e, consequentemente, as contrações.

2) Grávidas sentem mais calor?
Verdade. A grávida tem aumento da temperatura basal – que é a temperatura do corpo medida imediatamente após a pessoa acordar, antes de qualquer atividade física.

3) A gestante pode fazer atividades físicas?
Verdade. As gestantes devem sim, continuar a fazer exercícios durante a gravidez, já que o sedentarismo nesse período pode apresentar riscos para a mulher e a criança. Mas é importante ter sempre um acompanhamento médico.

4) Gestantes não podem pintar o cabelo?
Verdade. Durante as primeiras 16 semanas de gravidez, não se pode usar tinturas para cabelo. Essas tinturas e os tonalizantes são compostos por substâncias que podem ser absorvidas pelo organismo e provocar malformações no feto.

5) Azia significa que o bebê é cabeludo?
Mito. A azia aparece porque os hormônios da gravidez irritam o estômago, por isso a grávida sente uma queimação. E,no final da gestação, a azia é causada porque o estômago fica comprimido pelo bebê, que cresceu.

6) Depois de uma cesárea, não se pode mais fazer parto normal?
Mito. Quando a mulher passa por um parto cesariano, o útero é cortado e depois costurado. O ideal é que haja o intervalo de dois anos entre a cesariana e o parto normal. Passado esse período, não tem problema. Este intervalo é recomendado para prevenir o risco de que durante as contrações o útero possa se romper e causar hemorragia interna.

7) É perigoso fazer sexo durante a gravidez?
Mito. As mulheres podem fazer sexo tranquilamente se estiver tudo normal com a gravidez. A relação sexual com o parceiro é permitida durante todos os meses, já que a saúde do bebê não é prejudicada durante a relação sexual, apenas no caso da mulher apresentar sangramento e contrações.

8) Barriga redonda indica menina, e pontuda menino?
Mito. A forma da barriga não tem relação com o sexo do bebê, na verdade o formato da barriga depende do tamanho do bebê.

9) As grávidas precisam comer por dois?
Mito. Grávidas ou não, o importante é ter um prato variado e colorido, que contenha vegetais, frutas, legumes, carboidratos, proteínas e gorduras, além de muita água. Gestante, fique atenta ao controle do peso durante a gestação, siga sempre a orientação médica!

10) A mulher deve comer bastante canja e canjica, e beber cerveja escura para ter mais leite?
Mito. O importante é a gestante tomar bastante líquido. Lembrando que a bebida alcoólica não é aconselhável durante a gestação, pois o álcool pode causar aborto espontâneo, trabalho de parto prematuro, assim como outras complicações da gravidez. No bebê, o álcool pode causar falta de crescimento, retardo mental, entre outros.

11) Ficar em jejum ajuda a diminuir o enjoo?
Mito. A mulher deve comer mais vezes e em menos quantidade se quiser diminuir a sensação de enjoo. Comidas de consistência mais mole e de temperatura morna ou fria são mais adequadas quando a gestante tem enjoo.

12) Na gestação, a mulher pode ter mais cárie ou perda de dentes?
Mito. A cárie e a perda de dentes são provocadas pela alimentação rica em carboidratos e falta de higiene bucal. É muito importante a escovação dos dentes, o uso de fio dental e visitas ao dentista.

13) Se a mãe não comer o que deseja, a criança vai nascer com a cara do desejo?
Mito. Nada acontece ao bebê se a mãe não comer o que deseja. Os desejos são causados por hormônios durante a gestação.

14) Grávidas podem dirigir sozinhas?
Após a trigésima segunda semana, é melhor não correr riscos. A partir daí o bebê começa a se mexer mais, podendo distrair a mulher. Além disso, os reflexos ficam mais lentos. Andar no banco do passageiro é uma boa opção. Gestantes devem usar o cinto de segurança!

 

Fonte: Pastoral da Criança – http://www.pastoraldacrianca.org.br