Highslide for Wordpress Plugin

Vestir os despidos

2 Vestir os despidos“Quem tem duas túnicas dê uma ao que não tem.”(Lc 3, 11a)

Vestir os nus é uma obra de misericórdia corporal que visa atender uma necessidade básica do ser humano que é o vestuário. Desde tempos remo-tos que o vestuário faz parte integrante de um direito mais vasto, o direito a um nível de vida adequado, reconhecido pe-lo artigo 25º da Declaração Universal dos Direitos Humanos. O vestuário serve para cobrimos o exte-rior do nosso corpo e escondermos aquilo que mais amamos e protegemos: a nossa dignidade, a nossa interioridade.
Na Bíblia, a nudez é vista essencialmente como negativa pois retira a identidade e a digni-dade do ser humano. No livro do Gênesis, a nudez aparece como consequência do pecado: Adão e Eva, despidos da graça de Deus, olham-se com vergonha e escondem-se de Deus. A transgressão do homem no Éden faz com que ele saia do espaço de comunhão com Deus e se dê conta da sua nudez, ou seja, da sua condição de criatura limitada e frágil, e também que comece a sentir desconfiança, vergonha e temor.
Não podemos ficar indiferentes diante da necessidade de roupas por que passam muitas pessoas e muitas famílias. É preciso ter a sensibilidade do coração a fim de que saibamos fazer alguma coisa para vestir as pessoas carentes, cujos corpos são templos do Espírito Santo e merecem ser vestidos com dignidade. Esta obra de misericórdia pode ser realizada pela oferta de roupas que sejam úteis a uma família pobre e necessitada, oferta que pode ser entregue di-retamente para uma determinada família, ou entre-gue a uma instituição de caridade que preste essa assistência. Todos nós podemos doar roupas que já foram usadas, mas estão em bom estado e podem ser bem aproveitadas. A roupa que se amontoa e ganha mofo nos nossos armários pertence e faz falta a muitos pobres. Se assim procedermos, passaremos a fazer parte daquele grupo de pessoas a quem Jesus diz: “Vinde, benditos de meu Pai, tomai posse do Reino que vos está preparado desde a criação do mundo, porque estava nu e me vestistes… Em verdade eu vos declaro: todas as vezes que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, foi a mim mesmo que o fizestes” (Mt 25, 34;36;40).

* Artigo originalmente publicado na revista Recreio Católico de junho de 2016, acessível em http://imaculadarecreio.org.br/banca/recreio-catolico-junho-2016

Os comentários estão desativados.